Malformações Craniofaciais - Fissuras labiopalatinas - CTMC


 
Home A Instituição Malformações Craniofaciais Tratamento Amamentação Agendamento Profissionais de Saúde Contato e Localização
 
Malformações Craniofaciais - Fissuras labiopalatinas - CTMC

Malformações Craniofaciais - Fissuras labiopalatinas



O que é?

Malformação craniofacial é toda alteração congênita que envolve a região do crânio e da face. A mais frequente anomalia craniofacial é a fissura de lábio e/ou palato.

A fissura labiopalatina é uma abertura na região do lábio ou palato, ocasionada pelo não fechamento dessas estruturas, que ocorre entre a quarta e a oitava semana de gestação.



Incidência

No mundo esta ocorrência é de uma a cada 1.000 crianças nascidas, e no Brasil, há referência de que a cada 650 crianças nascidas uma é portadora de fissura labiopalatina. As fissuras labiais e labiopalatinas são mais freqüentes no sexo masculino e as fissuras somente de palato ocorrem mais no sexo feminino.

A incidência cresce com a presença de familiares fissurados nas seguintes proporções:

• pais normais = 0,1% de chance de ter um filho fissurado
• pais normais e um filho fissurado = 4,5% de chance de ter outro filho fissurado
• um dos pais e um filho fissurado = 15% de chance de ter outro filho fissurado



Causas

A etiologia das malformações faciais ainda é desconhecida, no entanto, existem evidências que fatores genéticos e ambientais atuam em associação na origem das fissuras labiopalatinas. Dentre os fatores ambientais mais citados destacam-se: doenças durante a gravidez, uso abusivo de drogas, uso de álcool ou cigarros, a realização de raios-x na região abdominal, idade dos pais, deficiência nutricional, medicamentos anticonvulsivantes ou corticóide durante o primeiro trimestre gestacional entre outras (MORRE, PERSAUD, 2004; FURLANELO et al.,1999; NUNES et al., 1998).

A hereditariedade tem sido mencionada como o fator de maior importância no desenvolvimento de fissura, uma vez que vários genes estão relacionados com o desenvolvimento e fechamento do palato. Esta importância da influência hereditária é comprovada quando se observa que a incidência de fissuras cresce com a presença de familiares com esta alteração (VARANDAS e SILVA,1995; ZANINI et al.1995; DI NINNO et al. 2004).



Tipos de fissuras

As fissuras de lábio e de palato podem ocorrer isoladamente, associadas entre si ou mesmo em combinação com outras malformações, apresentando-se em diversos graus de severidade. Podem ser: unilaterais quando atingem somente um lado do lábio ou bilaterais quando há fendas dos dois lados do lábio; incompletas quando atingem apenas o lábio e completas quando atingem além do lábio, o alvéolo; além de atípicas variando desde formas mais leves, como cicatriz labial e a úvula bífida quando a úvula(também conhecida como campainha ou sininho) aparece partida em duas, até formas mais graves que envolvem outras áreas além do lábio superior e palato, como a região oral, nasal, ocular e craniana.

Há diversas propostas de classificações das fissuras labiopalatinas, tomando com base aspectos morfológicos e/ou embrionários. A mais utilizada no Brasil é a formulada por Spina et al. (1972), que tem como referência anatômica o forame incisivo, limite entre o palato primário e o secundário.

CLASSIFICAÇÃO DE SPINA

A - Fissura Labial Esquerda Pré-forame Incompleta

B - Fissura Labial Bilateral Pré-forame Incompleta

C - Fissura Labial Esquerda Pré-forame Completa

D - Fissura Labial Bilateral Pré-forame Completa

E - Fissura Labial Esquerda Transforame Completa

F - Fissura Labial Bilateral Transforame Completa

G - Fissura Palatina Pós-forame Completa

H - Fissura Palatina Pós-forame Incompleta



© 2012 CTMC - Centro de Tratamento das Malformações Craniofaciais. Todos os direitos reservados.